fbpx

O poder da alimentação na saúde feminina

Saúde feminina: Nutricionista ressalta o quanto escolhas saudáveis oferecem nutrientes que auxiliam em diversas situações, como prevenção de doenças, menopausa e TPM

A saúde da mulher ganha destaque no mês de outubro com as campanhas de conscientização sobre a prevenção e o diagnóstico precoce do câncer de mama e do colo de útero. O holofote sobre a causa é importante também para ressaltar demais cuidados com o corpo, como a alimentação, que pode amenizar desconfortos e, especialmente, contribuir para a melhora da qualidade de vida. É o que alerta Bruna Pavão, consultora nutricional da linha de snacks saudáveis Cuida Bem.

Diversos alimentos podem ser considerados aliados à saúde feminina, considerando que esse público tem demandas específicas, principalmente no que diz respeito ao perfil hormonal e reprodutivo. “Todas as pessoas devem considerar o equilíbrio na alimentação, consumindo em boa quantidade frutas, verduras, legumes, cereais integrais, proteínas e gorduras boas. Mas, pensando nas fases da vida, existem alguns nutrientes que ganham destaque quando o assunto é o público feminino”, afirma a nutricionista.

Um exemplo é a TPM (tensão pré-menstrual). Na última fase do ciclo menstrual (fase lútea), ocorre uma diminuição na serotonina circulante, responsável pela sensação de bem-estar, por isso, o interessante é consumir alimentos ricos em triptofano e tirosina, que contribuem para a síntese de serotonina. Peixes, cereais integrais, ovos, amendoim, castanhas, banana e leite integram a lista.

Inclusive, os snacks saudáveis da Cuida Bem, que tem diversas opções sem açúcar, com boa quantidade de gorduras insaturadas, fibras e outros nutrientes, podem ser consumidos com o objetivo de ajudar na promoção do bem-estar durante a TPM. Com relação ao inchaço presente nesse período, as recomendações incluem a ingestão de água em boa quantidade, exercício físico e baixo consumo de açúcares e sal. “No entanto, é importante lembrar que os alimentos sozinhos não são capazes de controlar completamente a sintomatologia. É necessário ter o acompanhamento profissional”, ressalta Bruna.

Já alimentos com potencial antioxidante, anti-inflamatório e compostos bioativos podem contribuir para a prevenção do câncer de mama e do colo do útero. Apesar de nenhum alimento isoladamente ser capaz de extinguir as possibilidades de um tumor, a alimentação saudável ajuda a prevenir doenças. Um estudo realizado pelo British Medical Journal, segundo a especialista, mostra que o consumo de peixes, considerando a ingestão de duas porções na semana de atum, salmão ou sardinha, ajuda a reduzir o risco do câncer de mama, uma vez que são carnes com gorduras insaturadas, potenciais anti-inflamatório.

O consumo de brócolis, couve e repolho, por sua vez, por terem boas quantidades de vitamina C, carotenóides, precursores de vitamina A, fibras, cálcio e ácido fólico (vitamina B9), pode auxiliar na eliminação de substâncias tóxicas que induzem ao câncer. Outro ponto de atenção é evitar alimentos ricos em gordura saturada e trans, como frituras, hambúrgueres e laticínios integrais. Bruna pontua que “todos eles possuem uma quantidade de gordura mais exacerbada, o que pode favorecer o desenvolvimento de diversas doenças, como câncer”.

Menopausa

A menopausa é a condição na qual a mulher sai do período fértil e tem como principal sinal a interrupção do ciclo menstrual. Nessa fase, ocorrem diferentes processos hormonais e fisiológicos que trazem algumas questões específicas, como diminuição da densidade óssea, alteração nos lipídios, menor produção de colágeno, ondas de calor, irritabilidade, entre outros fatores. E alguns alimentos podem contribuir para a qualidade de vida das mulheres que estão passando por esse período.

São exemplos: cacau, rico em polifenóis, que pode ajudar no controle do estresse; leite e derivados, pela quantidade de cálcio; ovos, que são ricos em vitamina A, D e proteínas; peixes fontes de ômega 3, pois são anti-inflamatórios e podem ser positivos para o manejo da alteração lipídica; entre outros micronutrientes, como vitamina E, C e triptofano, que são antioxidantes e contribuem com o bem-estar.

Beleza

O cabelo e a pele são duas questões recorrentes dentro do universo feminino, e a busca por soluções para problemas como queda de cabelo, alopecia, unhas quebradiças, acne e pele seca/oleosa também esbarra no contexto nutricional, explica Bruna. “Entre os nutrientes que se destacam como benéficos para a beleza e estética estão o colágeno, a biotina – encontrada principalmente nas gemas de ovos e castanhas –, a vitamina C, o Ômega 3 e o resveratrol, um excelente antioxidante presente principalmente nas uvas.”

Nutrientes na saúde da mulher

A consultora nutricional separou ainda quatro importantes nutrientes para a saúde feminina e suas principais fontes na alimentação.

  • Ferro: naturalmente, as mulheres têm uma necessidade de ferro aumentada, pois todo mês, devido ao ciclo menstrual, elas perdem diretamente uma quantidade importante de sangue. Nesse sentido, quantidades adequadas desse mineral ganham destaque para prevenir a anemia, evitar apatia e melhorar a oxigenação. Ele é encontrado nas fontes animais, nas carnes vermelhas e em vegetais verde escuros.
  • Cálcio: principalmente após a menopausa, por conta de um desequilíbrio hormonal, existe uma chance aumentada de a mulher desenvolver a osteoporose. Por isso, ao longo da vida, é importante que a quantidade de cálcio consumida esteja sempre dentro do ideal. Ele pode ser encontrado nos laticínios, nos vegetais e, em destaque, no gergelim.
  • Ácido fólico: também conhecido como vitamina B9, está relacionado ao metabolismo das células vermelhas do sangue. Novamente, por conta do ciclo menstrual, as mulheres têm uma necessidade aumentada dessa vitamina. Outro período muito especial é durante a gestação, pois o ácido fólico participa da formação do tubo neural do embrião, sendo imprescindível o seu consumo adequado. Ele pode ser encontrado em diferentes alimentos, como carnes magras, frutas cítricas, vegetais verde escuros e leguminosas.
  • Ômega-3: essa gordura funcional possui diferentes papéis ao longo da vida. Em idade fértil, por ter um grande potencial anti-inflamatório, pode contribuir para amenizar os sintomas de condições como Síndrome dos Ovários Policísticos e Endometriose. Na gestação, sua suplementação é estudada e prescrita como potencial estimulante do desenvolvimento cognitivo do bebê, e após a menopausa, pode ajudar a reduzir as ondas de calor e também diminuir o perfil inflamatório da mulher. Ele é encontrado principalmente nos peixes de água fria, como salmão e sardinha, e no reino vegetal, em sementes como linhaça, gergelim, girassol e chia.

 

Conheça também: 

 

Fique por dentro das novidades e dicas de moda e beleza com o #TrendsCHK.
Siga a gente nas redes sociais @trendschk.

NEWSLETTER

Receba as novidades no seu e-mail

Written by: Ana Leichiringue

Deixe um comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com