fbpx

Metaverso: A Nova Internet?

METAVERSO: A NOVA INTERNET?

O maior pesadelo do Gabriel é enfrentar uma plateia. Já a Renata não pode nem pensar em expor uma ideia em uma reunião de trabalho. O Pedro trava toda vez que precisa falar com alguma pessoa com um cargo acima dele. Gabriel, Renata e Pedro são nomes fictícios aqui, mas todas as situações que acabo de descrever são comuns a milhares de pessoas na vida real. São questões que eu lido muito no meu trabalho.

Agora imagine se Gabriel, Renata e Pedro pudessem vivenciar essas situações, lidar com essas dificuldades usando a tecnologia. A tecnologia proporcionando ao Gabriel a possibilidade de falar diante de uma plateia, da Renata trabalhar suas dificuldades de falar em uma reunião estando dentro de uma reunião e a mesma possibilidade para o Pedro, colocando-o frente a frente do seu maior medo. Tudo isso de uma forma que eles se sintam seguros e sabendo que aquela é uma possibilidade que apesar de parecer real não vai passar de um mundo fictício. “Eles vão estar dentro de um ambiente de interação social simulado. Uma realidade virtual, mas que reproduz alguns aspectos da experiência no mundo físico, essa é uma das formas que o metaverso pode ser utilizado no mundo corporativo.” explica Shana Eleve, pós graduada em neurociência e mestranda em comunicação e análise de comportamento.

O termo Metaverso viralizou desde a troca do nome do facebook para Meta no final do ano passado, e tem levado milhares de pessoas a buscar o significado e como isso vai impactar na vida das pessoas. Ainda é cedo para endeusarmos ou crucificarmos o Metaverso, mas uma coisa é certa, não dá para ignorar nem ir contra a tecnologia. Ainda não sabemos se o Metaverso poderá acabar se transformando apenas num entusiasmo súbito e generalizado, ou vai realmente transformar o mundo. Mas pensando no que vivemos do final do século passado até aqui eu apostaria numa transformação.

No final dos anos de 1990, quando a internet começou a ficar mais forte, muitos gestores de grandes empresas julgavam-na como uma moda passageira que se apresentava sob a necessidade fugaz de uma página web. Outros, que perceberam que a internet realmente revolucionaria o mundo, mas talvez tenham acreditado que teriam ainda muito tempo para poder integrar a internet nos seus modelos de negócio. Quem viveu aquela época deve lembrar o quanto tudo parecia muito utópico e sem sentido, mas hoje sabemos muito bem aonde a internet nos levou e o quanto dependemos dela hoje em dia.

“No meu dia a dia de treinamentos tenho sentido como as pessoas estão carentes de olho no olho. Muita gente querendo o presencial, estamos num mundo em que a pandemia ainda está presente, apesar do coronavírus não ser mais um motivo para nos isolarmos. Não acredito que o Metaverso vá acabar de vez com isso, mas as ferramentas tecnológicas que vamos poder usar para vivenciar situações seria uma soma e não uma subtração. Para isso as empresas vão precisar de recursos como realidade virtual, realidade aumentada, inteligência artificial, 5G e por aí vai. E isso tem um custo de investimento, e um custo como tudo que está começando, bem alto. Mas também poderá ter um retorno que nesse momento nem imaginamos.” analisa Shana Eleve.

Um relatório do Citi chamado “Metaverso and Money, decrypting the future”analisou desde tokens nos jogos até criptomoedas stablecoins, CBDCs e moeda fiduciária. Pelo relatório, a economia do Metaverso pode chegar a US$13 trilhões até 2030. Abrangendo um universo de comércio, arte, mídia, publicidade, saúde, empresas e escolas. Imagine só simular uma emergência dentro de um hospital onde os alunos de medicina, terão que agir como se estivessem na vida real. O diferencial que esses estudantes teriam na formação deles.

Em algumas empresas o Metaverso já chegou. A AMBEV, por exemplo, criou um processo seletivo dentro do Metaverso, três etapas totalmente online. Os inscritos vão construir seus personagens e poderão encontrar informações sobre a empresa, além de falar com funcionários virtuais e acessar dicas sobre o processo.

“Não estou aqui para defender o Metaverso, mas para levantar uma discussão de onde e como essa tecnologia poderá ser usada. Um filme teenagers que fala de Metaverso, apesar da simplicidade do roteiro, nos faz refletir: Jogador número um. Mostra que o Metaverso pode manipular a vida das pessoas. Fazendo com que o mundo virtual seja muito mais importante que o real” esclarece Shana. Esse é um outro lado dessa tecnologia que talvez a gente acabe pagando pra ver. “Por enquanto o que temos são muitos questionamentos e poucas certezas. Mas não somos mais tão inexperientes a ponto de achar que ainda temos muito tempo pela frente para essa revolução chegar, afinal não estamos mais no final dos anos 1990.” Finaliza Shana Eleve.

 

Confira também:

Fique por dentro das novidades com a #TrendsCHK.
Siga a gente nas redes sociais @trendschk.

 

NEWSLETTER

Receba as novidades no seu e-mail

Written by: Lucas Nóbrega

Deixe um comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com