fbpx

Hormônios da felicidade: entenda como a prática de exercícios físicos promove a alegria

Especialista do Freeletics elenca os benefícios dos exercícios físicos para o equilíbrio da saúde mental

Com os impactos psicológicos que a pandemia tem causado, o Brasil se consolidou como o país mais ansioso do mundo em 2020. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), quase 20 milhões de brasileiros sofrem de ansiedade, o que inclui transtorno obsessivo-compulsivo, fobias, estresse pós-traumático e ataques de pânico. Instituído em 1992, o Dia Mundial da Saúde Mental é celebrado em 10 de outubro, e tem como foco a educação, conscientização e defesa da saúde mental global contra o estigma social.

De acordo com o Freeletics, aplicativo líder em exercícios físicos e estilo de vida com uso de inteligência artificial, a prática de exercícios físicos promove alegria e felicidade, o que pode ajudar no equilíbrio da saúde mental. “É possível sentir a sensação de euforia depois de um treino completo, a alegria quando se pensa no próximo treino ou a crescente confiança no próprio desempenho. Os responsáveis por isso são os processos bioquímicos, a liberação dos chamados hormônios da felicidade. Os mais conhecidos são endorfinas, dopamina e serotonina”, explica Liora Bels, especialista em bem-estar do aplicativo.

Apenas 20 minutos de corrida leve são o suficiente para aumentar significativamente os níveis de dopamina. Nos esportes de alta intensidade, como os treinos do Freeletics, o cérebro começa, depois de alguns minutos, com a liberação de dopamina. “Isso faz com que a pessoa fique mais alerta, concentrada e focada”, pontua a especialista. “Quanto mais treinamos, mais dopamina é liberada. A dopamina é a razão pela qual nos sentimos motivados durante o treino, levando ao pico de desempenho”, completa.

Segundo Liora, após o treino, o nível de dopamina diminui lentamente de novo. No entanto, o nível da serotonina aumenta. “A serotonina tem muitas funções: ela está envolvida na regulação do ritmo vigília-sono e na temperatura corporal, controla o apetite e alivia a sensibilidade à dor. Ela é conhecida também como um hormônio do bem-estar. Por meio da liberação, a serotonina cria um sentimento de satisfação interior”, ressalta.

Mais feliz a longo prazo

O efeito dos exercícios não se restringe apenas ao tempo imediato durante o treino. “Quanto a prática não é constante, o cérebro libera dopamina e serotonina somente em certas regiões. Se a prática é regular, a concentração aumenta continuamente e em várias regiões do cérebro. Aumento de concentração, sentimento de felicidade e satisfação são os efeitos colaterais agradáveis”, destaca Liora.

Além disso, práticas intensas e curtas, como as do Freeletics, também garantem redução de cortisol, o hormônio do estresse, mesmo a longo prazo. “Assim acontece a tolerância ao estresse de forma permanente – seja ele fisicamente ou mentalmente”, afirma.

No entanto, a especialista alerta: é preciso ter cuidado. “Muito exercício também pode ter o efeito contrário e levar os níveis de cortisol para cima. A sobrecarga é percebida pelo corpo como estresse negativo. Por isso é importante ouvir nosso corpo”, pontua. “A prática correta de exercícios físicos não influencia apenas no físico, mas também no mental, gerando mais positividade, confiança, alegria e força”, conclui Liora.

 

Confira também:

NEWSLETTER

Receba as novidades no seu e-mail

Written by: Ana Leichiringue

Deixe um comentário

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com